sexta-feira, 2 de outubro de 2009

chantilly

Que 
              ____.................._______                                



bom ... =)


Isso dá gente não saber o que dizer é móh divertido [blog praquê nhémesmo???!]


caí




super muito isso mesmo


que desperdício


tô só observando
                                        vai dizendo
 reclama só porque quer


 então


adequadamente


vai dizer que não sabe


ui
bem que quis


sim, eu chorei


medo da inexatidão incongruente 


já passou


sempre rápido - ainda
bem


que bom
super, tipo mega mesmo


e eu aqui
e as linhas andando
e eu fingindo que nem sei


ui


sou péssima
suspeita


dano
meio assim que com sono


então


me fala
disso e daquilo


tem minha amiga


isso de acharem que sou o que não sou


ser diferente
melhor que ser estranho


estranhamente diferente 


e é claro que você pensou em mim


é porque eu também pensei em você, assim meio torto


oras


a gente cedo ou tarde encontra o que procura


quem manda tipo assim, 'Querer'


ahhhhhhhhhhh [muito característico]


nem sei tá, sei de nada, muito total me abstenho


táááaaaaaaaaaaa


je sui, 


terrivelmente sequelada e bêbada


até que eu ri depois


da hora, ui, vc nem viu


tudo bem, sério, Mesmo.


ah, eu gosto


do café
sem açúcar 
da louça lisa
das perguntas toscas
das reações, das que são verdadeiras
das desculpas sem noção
das mentiras inventadas na hora 'H' - agázinhuuuuuuuuuu


dizem, tá, já sei, sonoridades absurda-das = problemas psicológicos, tipo assim, dos fortimente fortes....


me que me tem
se me dão palavras


jogo alto, nem tô


pequena palhaça abstrativa, subjetividade é 'eu'


saudades do gato, resmunguento e preguiçoso que enrosca feito tatu-bola, que me olha
como quem nem me quer


e me tem


ah, como me tem


nas cobertas mornas, nas brigas pelo melhor lugar do sofá


eu te amo, mon petit - ani ohev otach


nossa rotina louca


a casa que não pára


a dona que na casa não pára


o gato cheio
a preguiça gritante


a noite densa, enorme lençol de dois distintos habitantes


que se olham no reflexo opaco dos armários e se perguntam coisas sobre Deus, e sobre os homens, e sobre porque é tão difícil simplesmente dar um adeus, e de livros que não cabem em sacola nenhuma porque altaneiros extravasam o peito




cobertas que somem, eu menino porco, linda Hilda, cheia de espinhos


me ensina, por favor?


com quantas dores se escreve derrilição?
e os olhos rápidos de quem dorme e quem escolhe


acolhe


fecha a palma - desalma


acalanto - nem é - só desencanto - ex-canto - sem canto - só meio no meu fim

tá sobrando falta, tá faltando dobra, pontos distantes, musgos geográficos


dobrar o mapa e encostar díspares anônimos


minha vontade de sono
é a lateral da praça engraçada e chata


e o nome da rosa é abelha


e a abelha é cereja no  chantilly da mesa do lado


e os franceses só inventaram o doce


me adoça?




2 comentários:

  1. faz tempo q vc não cruza com a minha poesia, Brou hauahuahsuhsuaha *brinks*

    vc eh otimo tb!
    :)

    ResponderExcluir

i Sem PingOS