quarta-feira, 25 de novembro de 2009

'The changes that have come over me' - Caledonia

Dia que começou bem torto, segunda feira de ressaca, terça feira lerda, saí da cama aos tropeços, procurando o relógio... tocou telefone, todas as coisas decidiram acontecer ao mesmo tempo, ok. Pausa. Olho pro blog 'mas que lixo ando escrevendo' - e embora tenha uso, não me conformo: por onde anda minha cabeça e essa Gabi que não reconheço?
Às vezes parece que tudo que pedi pra acontecer no ano passado, ou no começo desse ano, começou a acontecer por agora: ando calma, calma, até uma bebedeira eu inventei pra ver se deixava essa calmaria toda e essa estrutura pra lá de mental. Funcionou, eu acho...
Acordei recortada, meu humor tá mais leve, e minhas brincadeiras mais audaciosas,já tava com saudades de mim! Acordei aos tropeços, sempre assustada com o horário, mesmo quando não tenho compromisso, as horas sempre me importam, acordei aos tropeços catando tênis, querendo café, falando com o gato, espiando o dia, dando play no pc, vendo e-mails, lembrando de beijos, recordando risadas. Acordei. Parece que acordei em mim, despertei, e já era tempo, tempo de me encontrar no exato ponto que sou: algum momento entre as tardes de vento da primavera e as noites quentes de verão. 
Acordei olhando com menos culpa pra última tela em branco que me resta, imaginando tons de azul e expressões, olhei ao meu redor como se finalmente estivesse pronta pra fazer as mudanças todas que já sabia desejar. Deixei que os momentos viessem como quisessem vir, e os fui vivendo, um a um, nos espaços do dia, assim fui abraçando a noite e me querendo menos vazia, chegaram as mensagens, vieram as palavras, e até quem eu supunha mudo, abriu um sorriso e me fez falar mais do que imaginei ser possível dizer, e fiquei sem jeito, pelas palavras todas, pelas ideias desenhadas, e me veio um vergonha boba de afinal, nem ter feito nada.

Acordei no mesmo dia em que me quero dormindo, catando sonhos, fustigando corações, acordei como quem bem quis solidão alguma, recheada de fatos e carícias, acordei como quem quer abrir a agenda do próximo ano marcando viagens, acordei como quem a anos não se perdoa não ter voltado ao masp, como quem se deve pequenos desejos que não custam mais que uma boa dose de vontade. Acordei pensando nos shows que tenho que ir, acordei lembrando da ilha, e da preguiça fútil que muitas vezes tenho de viajar umas 6h e ter uma bela paisagem pra abrir o olhar, e estender os braços no mar nas manhãs geladas em que simplesmente o sol aparece ilusório no horizonte. Acordei como se soubesse de todos meus erros para com o amor, e ainda assim sorrisse me desculpando porque seguirei amando do meu jeito até encontrar a medida, acordei em paz com todas as desculpas, as pedidas e as que por algum motivo nunca se moveram em meus lábios, acordei podendo esquecer o que antes me pedia para ser lembrado, tranquila porque algumas coisas enfim posso deixar seguir e ser como quiserem seguir sendo. Acordei quite com minhas dores, e até lembrando que muitas foram as que necessárias me deixaram tanto, mesmo tirando muito quando chegaram, lembrei das pessoas que chegaram, e de outras que partiram, e vi um espaço tênue se formando entre aquilo que é e o que já foi, acordei como se tivesse agora no peito, sentindo, todas aquelas coisas, pensamentos e pessoas que por vezes acho, me farão feliz para sempre, das coisas todas que sempre me  arqueiam a sombrancelha e inquietam minha imaginação, como se acordasse no coração com tudo que sei, faz minha alma voar.
Enfim, acordei, e, como é bom, estar enfim desperta.




Bonjour ;D

Um comentário:

  1. 'acordei pensando nos shows que tenho que ir'

    muito importante essa parte! :)

    teu post me deu uma vontadezinha de pegar uma praia no inverno. sentar na areia de moletom num dia nublado!

    *te gosto muito*

    ResponderExcluir

i Sem PingOS