sábado, 23 de janeiro de 2010

larápio

o amor passou batido,
passou latindo
cão desatinado
o amor passou rente ao meu lado
passou, ladrou
ladrão
levou-me sem mérito
o que nunca mais terei
amor, amor
como podes?

afanar-mes o pouco tardio que ganho
ainda que mero fruto do teu engano
Ou será meu, o engano
saber-te assim, veterano insano
e ainda assim salivar-me.

Onda de mar que beija-me

                              Pôr-solo de ninguém.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

i Sem PingOS