domingo, 10 de outubro de 2010

Um pedaço de Ti



Te lembro sempre, mesmo que te esqueça, 
perene é o 
s                                                                      
OM                                            
estendido na concha das mãos 
a cada manhã unidas para lavar o rosto. 
Tua face assim como a minha, 
tem algo de risonho e surreal, não traduz nenhuma, embora traga às espumas tantas realidades
Te ofereço um pedaço de mar
na ponta do olhar
na ponta a ponte dos dedos
que não pegam, mas viscejam pelo ar
a contar histórias sozinhas
senhoras de um curso 
SO                                                                            
Lar                                  
me remetes a algo, algo assim   a   n   S  o 
e arredio
impetuoso
convergem tuas mudanças mudas danças andanças

caminhas, esfera, ação não linear
espio na margem oposta um desenho composto
céu e mar
pés na terra

Sonho fugidiço, não existem asas quando é o coração que passeia
SOL                                                                                         
T                                                                                            
O                                                                                           

um ato de silêncio cobre a pele 
frio da fala
respiração quente que perpassa
  silêncio factual
nada escutas, porque nada digo

silêncio nasce na boca, percorre as orelhas
não alcança o fundo
desde os braços arrepiando a espinha
calma de pernas
balanço de pés
silêncio gruda na sola e não sai mais
fica auditando

S                                 
i
Lê                                                          
N
Cio                                               

Rio
e como não rir?
Vendo que a fala te recobre e vibra até não mais conseguir

Meu riso liberta o teu
que livre
sai desatado desatando essas falas todas
Riso cria asas, sobrevoa o mar, canta céu, cai por terra

perene é o 
                                                                                                   
OM                                                                              
estendido na concha das mãos 
levadas ao rosto para conter o que não pode ser contido

Como me faz feliz te ver livre assim


 

Nenhum comentário:

Postar um comentário