segunda-feira, 31 de janeiro de 2011



poeminha de tristeza


eu não tenho talento
que dê pra cantar
mas tenho lamento
que dê pra rimar

achando que a tristeza não é melhor que a felicidade
faço esse poema pequeno, quebrado
sem traço de verdade
mero esquema
tolerância quebradiça
pobre e enferma
a tristeza é essa coisa feia
desnecessária e até pequena
não me preenche dias
nem conta histórias
com ela nada aprendo
só faz encher memória
e como é triste ter memória triste
como pesa e fere
enquanto a gente existe

no fundo a tristeza é esse poema magoado
escrito na alma por todos os lados


o tamanho da tristeza
é esse vão estreito entre a luz e a sombra
onde não cabe nada
mas parece que entra tudo
e como o poema é sobre ela
e como todo poeta se entrega
e não se omite entristecer
estou aqui eu
para anoitecer



Um comentário:

i Sem PingOS