segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011



   "Para o ofício e a posse." - Mova

   "às vezes me pinto nuvem...
   às vezes me pinto árvore... (...)''

   "escrever me subjuga e não entendo,
   tal qual  comer, defecar
molhar-me de urina e lágrimas.
(...)
mistério que me abate e me corrói
Minha alma canta em delícias.
Meu corpo sofre e dói''



"Mas para quê?
Tanto sofrimento,
se nos céus há o lento (...)''




Três grandes
Para uma mínima
e era tão pequena
e tão esguia
e transparente
fiapo de retina
passava já parca
andava de maca
pois sobrevivia do que os demais pudessem lhe prestar




SOCORRO

Nenhum comentário:

Postar um comentário