segunda-feira, 11 de abril de 2011


Nem sempre as pessoas se entendem, entendem a si mesmas ou ao mundo. Infelizmente os pontos falhos são em maior quantidade que os eficazes, embora dê pra se viver assim, nessa equação sem proporcionalidade do que venha a ser a comunicação humana. Vou tentar ser mais clara: nem sempre vou te entender, nem sempre você vai me entender, mas a gente vai continuar se comunicando. Eu sei, soa como algo dispensável e até mesmo burro de se fazer. Mas é exatamente assim, é como procurar a pronúncia correta de um idioma que não é o nosso, tenta-se, tenta-se e mais tenta-se. Pour quai?... Bien, complexo, mas acho que porque apesar de todas as dificuldades o desejo de conseguir se comunicar numa outra língua, de poder mais, é maior que a decepção de não conseguir fazer isso por um determinado tempo. Entendimento sempre será mais tentativa do que qualquer outra coisa, não se iluda, muita gente vai lhe falar em entendimento fácil, well, ele existe, mas é raro, e normalmente quando acontece a gente mal percebe, por isso é fácil.

sábado, 2 de abril de 2011



Enquanto você dorme, dorme todo um mundo meu, meus sonhos, um punhado de desejos, junto de ti é que guardo meus sorrisos mais intensos, minhas palavras mais significativas, os abraços pelo mundo e os passos pela vida.
É no canto desse travesseiro que acabam minhas dúvidas, é no espaço do teu cheiro que tudo em mim serena, és minha paz e minha simplicidade terrena.