quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

                                    O céu escorre pelas mãos
como uma piscina espelhada

                                   o homem se devora

                   sua voz não tem som

                         o homem elucida, impera e goteja

faz as malas


            sua morte só não tem hora