terça-feira, 1 de janeiro de 2013




deixar o passado onde está
para trás
nem véus, nem estradas
o pó fica na memória

sem gestos macilentos
sem puídos nos dedos
deixar o passado onde está

deixar o vento e o tempo passar
deixar a água sedimentar
e o fogo dos olhos arderem
perscrutando o futuro

sempre um passo a mais a se dar
cruzar
e ultrapassar

com o peito ungido
cingir as mãos
estender os braços


e segurar o mundo com todo carinho

Um comentário:

  1. mas sempre
    tem um
    vento
    que lá
    de trás
    traz
    aquele outro
    tempo.



    flores.

    ResponderExcluir