terça-feira, 24 de dezembro de 2013




às vezes gosto de pensar que o amanhã é algo que me incendeia
por inteiro
por completo
no âmago da alma se acende a fagulha
que de um instante
faz um risco de céu
num momento de lua